19/11/2015
"Meus aniversários sempre tiveram momentos estranhos, mas o desse ano é pior. O jantar japonês fica carregado de sorrisos aflitos e olhares tristes. Sim, é o meu aniversário e blá-blá-blá, mas meus parentes só conseguem pensar em Shannon. Neste ano chego à idade dela. À última idade congelada no tempo."

Summer está em seu aniversário de 17 anos, agora tem a mesma idade que sua irmã tinha quando, segundo os policiais, tentou se desfiar de algum animal no meio da pista, perdeu o controle e bateu em uma árvore. Summer nunca chegou a conhecer Shannon, sua mãe engravidou algumas semanas depois do acidente. No entanto, Shannon estava em tudo Summer fazia (ou deixava de fazer).
Summer passou a vida inteira ouvindo a família dizer como elas eram diferentes, como Shannon era "perfeita", a melhor da classe, a medalhista, a salva-vidas, etc... Suas conquistas estavam lá, estampadas em uma parede inteira para quem quisesse ver. Summer também tinha uma parede, mas não tinha muita coisa nela.
Na manhã do seu aniversário ela vai trabalhar na floricultura da tia, que dá a ela um diário que achou quando estavam retirando as coisas do quarto de Shannon após a morte. A tia dá a ela a opção de ler ou apenas guardar. 
Summer nunca se interessou pela vida de Shannon, era só a garota perfeita dos retratos nas paredes da casa. Os pais nunca quiseram tocar no assunto e ela muito menos, já existia idolatria de mais à ela. Além disso Summer acha que se Shannon não tivesse morrido ela não teria motivos para vim ao mundo, nasceu para preencher o espaço vazio da mãe, mas ela não era perfeita como Shannon, não era a filha que a mãe queria que fosse, sempre soube que nunca chegaria aos pés de Shannon então nem se deu o trabalho de tentar. 
Porém, com o diário nas mãos uma curiosidade nasceu. Folheando as paginas preenchidas perfeitamente com uma letra invejável ela se surpreende ao passar por uma folha com apenas uma frase em letras maiúsculas "QUERO ME MATAR.". Não fazia sentido, Shannon era feliz, ouvirá a vida inteira que Shannon era feliz, porque ia querer se matar? Será que se matou? Agora precisava ler o diário para poder entender.
Lendo o diário ela descobre que Shannon não era nem um pouco perfeita, uma enxurrada de revelações são feitas, não só sobre Shannon, mas sobre toda a família. Summer se envolve cada vez mais com o diário e com a irmã, começa a comentar com Gibson, seu melhor amigo, que a ajuda a descobrir algumas coisas e também finalmente consegue falar com os pais sobre o passado, mas sem revelar sobre o diário, descobre uma família até então desconhecida.
"Mal consigo enxergar entre as lágrimas ao sair do parque cantando pneus.
"Desacelera, idiota. Quer que mamãe e papai percam as duas filhas em acidentes de carro? E pare de descontar suas frustrações no pobre do Gibs. Sabe com quem tem que falar. Cresça e resolva isso."

Ao decorrer do livro a história de Shannon é desenvolvida e de Summer também. Enquanto a irmã se apaixona por um idiota, Summer se apaixona pelo melhor amigo. Enquanto Shannon se revolta com a mãe, Summer começa entender a mãe. Choro dos dois lados e sorrisos também. Shannon era finalmente a irmã de Summer.

Obviamente o diário não termina, a última folha escrita, três dias antes do acidente, não revela o que Summer queria saber deste o inicio, mas põe fim a um tormento familiar e pessoal de ambas.


Sobre mim

Sobre mim
Uma comédia romântica com trilha sonora na voz de Renato Russo e Tiago Iorc, com créditos para Cícero, Phill Veras e Soulstripper. Tenho 20 anos, sou sagitariana, mas controlada. Moro na cidade luz, a da chuva da tarde, mangueiras, do açai e tacaca e só saio daqui para uma breve viagem ao redor do mundo. Fã de carteirinha de bandas que não existem mais e cantores desconhecidos. Em busca do grande sonho que é a independência e felicidade no mesmo pacote.

Marcadores

Tecnologia do Blogger.

Twitter